[VÍDEO]Homem acorda do coma e reencontra guarda-vidas que o salvou: ‘milagre’

Homem reencontrou guarda-vidas que salvou a sua vida em Itanhaém (SP) — Foto: Divulgação/Comunicação Social GBMar
Homem reencontrou guarda-vidas que salvou a sua vida em Itanhaém (SP) - Foto: Divulgação/Comunicação Social GBMar

Um comerciante, de 31 anos, reencontrou a guarda-vidas que o salvou em Itanhaém, no litoral de São Paulo. As imagens obtidas pelo g1 neste sábado (23) mostram o reencontro que aconteceu após Arthur Felipe Pinheiro de Barros ficar nove dias em coma e quase um mês internado.

Arthur teve uma morte súbita abortada. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), isto acontece quando a morte decorrente de uma arritmia grave é evitada graças à detecção precoce e conduta eficiente.

A soldado PM do Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) Ariane de Lucas, de 30, foi uma das responsáveis por salvar a vida de Arthur. No dia 7 de fevereiro, a guarda-vidas decidiu tomar um sorvete, por volta das 18h, no bairro Mosteiro. O fisioterapeuta Thiago Nunes Basso, que atende um paciente pela manhã, precisou mudar a sessão para mais tarde.

Na mesma hora, Arthur resolveu fazer um exercício físico e foi correr na rua. Durante a atividade, ele se sentiu mal, bem perto da sorveteria. Ariane disse que não conhecia o fisioterapeuta, mas que eles se uniram para ajudar Arthur.

Ao g1, a guarda-vidas contou que junto Thiago conseguiu detectar o problema e fazer massagem cardíaca até que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegasse.

“Parece que o meu dia e o do Thiago foi voltado para estar naquele local e naquele momento […]. Não tem outra explicação, foi um verdadeiro milagre”, disse.

Quando o Samu assumiu a ocorrência, a guarda-vidas disse que foi utilizado um desfibrilador, um aparelho que produz choque elétrico no coração para restabelecer o ritmo cardíaco, e não conseguiram intubar Arthur no local.

A guarda-vidas afirmou que a junção da falta de equipamentos apropriados para a massagem cardíaca, a própria experiência e o estado em que o comerciante foi levado ao hospital, a fizeram acreditar que ele não resistiria. Mas, em nenhum momento, ela pensou em desistir de Arthur.

“Quando a gente estava fazendo a análise, eu fui procurar uma identificação e achei uma foto da filha dele no celular e vi a aliança. Eu pensei: ‘Ele é pai e é casado’. Não era uma opção desistir”, afirmou Ariane.

Fonte: G1