Bebê que recebeu embalagem de bolo como máscara está internado no Varela Santiago e evolui bem; família pede ajuda

Embalagem de bolo foi improvisada como máscara de oxigênio - Foto: Reprodução
Embalagem de bolo foi improvisada como máscara de oxigênio - Foto: Reprodução

O bebê Gabriel, que recebeu uma embalagem de bolo como máscara improvisada em um hospital de Santa Cruz, foi transferido para Natal nesta terça-feira (11) e agora está internado no Hospital Infantil Varela Santiago. De acordo com a médica Sabrina Pereira, diretora técnica da unidade, o bebê de três meses segue em estado grave e na UTI, mas evolui bem e poderá ter alta em 48 horas.

“Ele chegou cansadinho, com desconforto respiratório, precisando de oxigênio mais forte, chegou em dieta zero, precisando de fisioterapia, antibióticos. Mas já está acontecendo o que a gente chama de desmame de oxigênio. Ele está com cateter nasal, para suporte de oxigênio, e iniciou alimentação. São sinais de melhora”, afirmou Sabrina, em entrevista à TV Tropical nesta quarta-feira (12).

Sobre a improvisação feita pela equipe médica de Santa Cruz, Sabrina Pereira afirma que a manobra pode ter salvado a vida de Gabriel. “Não foi o equipamento adequado, ideal, mas foi a manobra que eles conseguiram utilizar par concentrar oxigênio e fornecer melhor suporte. Que bom que foi feita a manobra, porque salvou a vida dele”, destacou.

Gabriel, que tem hidrocefalia e uma má formação, deu entrada no hospital de Santa Cruz no último sábado (8) com quadro de desconforto respiratório grave, além de congestão nasal, febre, rinorreia (secreção nasal), vômitos e diarreia. Ele recebe o diagnóstico de bronquiolite. Ele recebeu a embalagem de bolo como máscara improvisada enquanto aguardava vaga na UTI.

Nesta terça-feira, após ordem da Justiça, o bebê foi transferido para Natal. Ele deu entrada no Varela Santiago por volta das 14h.

Mãe pede ajuda para comprar leite e insumos

Também em entrevista à TV Tropical, a mãe de Gabriel, Kadja Santos, declarou que é grata à equipe médica de Santa Cruz pela manobra que salvou a vida do filho dela. Ela disse, porém, que ficou com medo de o filho dela morrer pela falta de suporte adequado na unidade.

“Eu sou muito grata à equipe que estava lá. Eu até agradeci, porque eu vi que nitidamente ele melhorou. Ele estava mais confortável para respirar. Mas eu fiquei angustiada porque estava demorando a vaga na UTI. Eu estava com medo de agravar e lá não tinha suporte para ele”, disse Kadja.

A família de Gabriel iniciou uma campanha para arrecadar recursos para a compra de leite e insumos. As pessoas podem ajudar através da chave Pix (84) 99984-3786.