Divórcio de R$ 3 bilhões: conheça herdeira da Samsung que casou com o segurança dela

Lee Boo-jin (à direita) e o ex-segurança Im Woo-jae (Crédito: Reprodução/Hankyoreh)

Lee Boo-jin é herdeira da Samsung e casou com o segurança pessoal dela, Im Woo-jae, em agosto de 1999. Após anos turbulentos e repletos de especulações de traições por parte dele, a “princesa da Samsung” entrou com o pedido de divórcio, em 2014.

A herdeira de uma das maiores empresas do mundo nasceu em Seul, capital da Coreia do Sul, no dia 6 de agosto de 1970, é filha de Lee Kun-hee, falecido presidente da Samsung, e neta de Lee Byung-chul, fundador da gigante coreana.

Lee Boo-jin é chamada pela imprensa sul-coreana de “princesa da Samsung” por sua semelhança física e proximidade que tinha com o pai. A herdeira estudou nas melhores instituições de ensino da Coreia do Sul e se formou em Estudos Infantis na Universidade Yonsei.

Em 1995, ela começou a trabalhar como estagiária na Samsung e teve de crescer na empresa para alcançar um cargo na diretoria. No ano de 2001, Lee Boo-jin passou a atuar na rede de hotéis Shilla, um braço da Samsung especializado na área de hospedagem, onde se tornou CEO, em 2010.

Segundo a Forbes, a fortuna da herdeira da Samsung chega a US$ 3,6 bilhões (cerca de R$ 14,9 bilhões).

Na sua juventude, o pai, Lee Kun-hee, queria que ela se relacionasse com algum chaebol, como são chamados os herdeiros de grandes empresas sul-coreanas que casam entre si. Mas ela acabou se apaixonando pelo segurança Im Woo-jae.

Isso não agradou a patriarca da família, que se opôs fortemente ao relacionamento. Mesmo assim, os dois continuaram juntos e se casaram em agosto de 1999. Após a cerimônia, Lee Kun-hee exigiu que o genro fosse estudar nos Estados Unidos, onde cursou um MBA no MIT.

Depois que voltou para a Coreia do Sul, em 2002, Im Woo-jae passou a ocupar o cargo de vice-presidente sênior da equipe de planejamento da Samsung Electro-Mechanics. Ele foi promovido no ano de 2009 a vice-presidente executivo da mesma área e, no ano de 2011, conseguiu o posto de vice-presidente.

O trabalho de Woo-jae na Samsung era alvo de especulações. Alguns rumores diziam que ele era desqualificado, cometia diversos erros e tinha acessos de raiva. Porém há quem dissesse que o marido de Boo-jin era gentil e ouvia as outras pessoas.

Traições

Nos primeiros anos de casamento, a imprensa sul-coreana exaltava o casal, que parecia ser perfeito e teve um filho.

Porém, com o passar do tempo, a mesma mídia passou a veicular os rumores de relações extraconjugais de Im Woo-jae. O caso que teve mais repercussão foi com a atriz sul-coreana Jang Ja-yeon, que cometeu suicídio em 2009 e deixou uma carta na qual afirmou que teria sido violentada sexualmente por executivos da imprensa, políticos e outras personalidade, dentre elas, o marido de Boo-jin.

A investigação sobre o caso da morte da atriz descobriu que ela e Woo-jae conversaram por telefone mais de 35 vezes. Apesar das suspeitas, o Ministério Público da Coreia do Sul nunca convocou o marido da herdeira da Samsung para depor.

Depois de diversas turbulências na relação, Lee Boo-jin entrou com o pedido de divórcio em 2014. Porém o processo se arrastou por cinco anos, devido a um pedido de recurso apresentado por Woo-jae.

Em 2016, o ex-guarda-costas entrou com uma ação paralela ao divórcio na qual pediu uma pensão alimentícia no valor de 1,2 trilhão de wons (cerca de R$ 3 bilhões). A Justiça negou o pedido e determinou que Boo-jin ficasse com a guarda do filho, além de pagar 8,6 bilhões de wons (cerca de R$ 32 bilhões) ao então marido.

Durante o processo de divórcio, Woo-jae perdeu o seu cargo de vice-presidente. Segundo a imprensa sul-coreana, ele recebeu uma carta de rescisão de contrato em dezembro de 2017, passando a ocupar uma função “simbólica”. Esse tipo de procedimento é comum na demissão de executivos de alto nível.

Fonte: Istoé