Operação prende advogado e investiga policiais penais por facilitar entrada de celulares em presídio do RN

Operação Protetor foi deflagrada nesta terça-feira (18) e prendeu 3 em flagrante - Foto: PCRN / Reprodução
Operação Protetor foi deflagrada nesta terça-feira (18) e prendeu 3 em flagrante - Foto: PCRN / Reprodução

Um advogado e dois homens suspeitos de integrar uma facção criminosa foram presos nesta terça-feira (18), em Natal, suspeitos de envolvimento em um esquema que permitiu a entrada de celulares na Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, no Complexo de Alcaçuz, em Nísia Floresta.

As prisões aconteceram dentro da “Operação Protetor”, deflagrada nas primeiras horas da manhã pelas polícias Civil e Penal.

Além das três prisões, dois policiais penais são investigados suspeitos de facilitarem a entrada dos equipamentos no presídio.

A investigação começou em abril deste ano, quando houve apreensões de celulares por parte da Polícia Penal no Complexo de Alcaçuz. No decorrer da investigação, foram detectadas ameaças a servidores públicos e supostos envolvimentos de advogados e servidores do sistema prisional no auxílio aos encarcerados.

Nesta terça-feira, a Polícia Civil está cumprindo 10 mandados de busca e apreensão. Houve três prisões em flagrante, por tráfico de drogas, furto qualificado, organização criminosa e fraude processual.

Os dois suspeitos de integrarem uma facção criminosa têm 26 e 24 anos, respectivamente. Já o advogado tem 25 anos.

Segundo a Polícia Civil, o nome da Operação Protetor está relacionado à necessidade de proteger policiais de ameaças contra a vida dos servidores, sendo necessária a integração das polícias para combater esse tipo de crime.