[VÍDEO] Encontro com líder de facção foi “atividade corriqueira”, diz secretário do RN na Assembleia

Secretário estadual de Administração Penitenciária, Helton Edi Xavier - Foto: João Gilberto / ALRN
Secretário estadual de Administração Penitenciária, Helton Edi Xavier - Foto: João Gilberto / ALRN

O secretário estadual de Administração Penitenciária, Helton Edi Xavier, classificou como “atividade corriqueira” o encontro que teve com o líder de uma facção criminosa, em janeiro do ano passado, na superintendência da Polícia Federal.

As declarações do secretário ocorreram nesta quarta-feira (19) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Ele foi chamado para uma reunião da Comissão de Administração para explicar o contato que ele teve com o preso, após denúncia do Sindicato dos Policiais Penais.

Helton Edi Xavier relatou que o encontro aconteceu em janeiro do ano passado na sede da Polícia Federal com José Kemps Pereira de Araújo, mais conhecido como Alicate. Na ocasião, Kemps havia acabado de ser preso por uma força-tarefa após passar mais de seis meses foragido.

Alicate ficou na sede da PF até aguardar transferência para uma unidade prisional. Depois da conversa com o secretário, o preso foi transferido para a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, onde ficou até março, quando eclodiram ataques criminosos no RN e Alicate acabou transferido para um presídio federal.

Helton Edi Xavier afirmou que havia acabado de tomar posse no cargo e que se reuniu com Alicate após ser avisado pela área de inteligência da Secretaria de Administração Penitenciária de que o preso era “perigoso”. O secretário disse que, diante dessa informação, resolveu ir à PF para se “inteirar de tudo o que estava acontecendo”.

O titular da Administração Penitenciária negou que tenha ido fazer qualquer acordo com a liderança da facção. Ao ser questionado pelo deputado estadual Coronel Azevedo (PL), rechaçou que o encontro tenha sido secreto, já que aconteceu na PF com a presença de outras pessoas.

O delegado Regional Executivo da Polícia Federal, Caio César Bezerra, confirmou a informação e também classificou o episódio como corriqueiro da atividade policial.

Assim como já tinha falado em entrevista na 94 FM, o secretário disse que a conversa com o detento teve apenas o teor de avisá-lo sobre as regras do sistema prisional potiguar. O secretário afirmou que resolveu fazer a reunião com o preso porque havia um temor de servidores da volta da liderança ao sistema prisional.