[VÍDEO] Marina Silva culpa ação humana por incêndios no Pantanal e Amazônia: ‘Uma das piores situações já vistas’

Ministra do Meio Ambiente e das Mudanças do Clima, Marina Silva. Foto: Agência Brasil

A ministra do Meio Ambiente e das Mudanças do Clima, Marina Silva, alertou sobre a gravidade dos incêndios no Pantanal e responsabilizou a “ação humana” pelos incêndios no Pantanal e na Amazônia, destacando que eles são intensificados por extremos climáticos e ações criminosas.

“Temos um esgarçamento de um problema climático que vocês viram acontecer com chuvas no Rio Grande do Sul, e que nós sabíamos que iria acontecer com seca, envolvendo a Amazônia e o Pantanal. Agora, nós temos uma ação de pessoas que usam a queima controlada do fogo”, afirmou a ministra nesta segunda-feira (24) após uma reunião da “sala de situação” sobre o assunto, no Palácio do Planalto. Marina prosseguiu: “O único meio que nós teríamos de evitar (o fogo) é que as pessoas não queimem. E elas não estão conscientes ainda o suficiente para entender que combater o fogo é evitar o fogo.”

Segundo a ministra, o governo antecipou ações que adotaria em agosto e que desde o início de maio está em “pronta ação”. Ela ressaltou que a pasta decretou situação de emergência em relação ao fogo no mês de abril  e que o Ministério do Meio Ambiente já vinha planejando ações para lidar com os incêndios desde outubro do ano passado. De acordo com Marina, mais de 80% dos incêndios ocorrem em propriedades privadas, o que torna a situação ainda mais preocupante.

Neste momento, o ministério tem a perspectiva de receber um adicional. Atualmente, disse ela, são 175 brigadistas do Ibama e 53 do ICMBio em ação, além de 53 combatentes da Marinha e mais 250 profissionais. Segundo ela, haverá um adicional de 50 brigadistas do Ibama e de 60 da Força Nacional.

Segundo ela, o Ministério da Justiça e Segurança Pública participa das ações com um trabalho de inteligência “para que todos os criminosos que estão provocando incêndios possam ser devidamente investigados e punidos”. 

A ministra afirmou que as práticas envolvem principalmente a renovação de pastagens e da queima controlada. “Todos aqueles que fizerem o uso do fogo para a renovação de pastagens ou para a atividade qualquer que seja ela estará cometendo um delito”, declarou. 

“Neste momento, é fundamental parar de usar fogo para qualquer coisa. E, nesse período, não tem incêndio por raio. O que está acontecendo é incêndio por ação humana”, disse. 

Na sexta-feira, 28, Marina e demais ministros pretendem visitar o município de Corumbá (MS) para analisar os impactos dos incêndios. A decisão ocorreu após a reunião da “sala de situação”, que também teve a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, e da ministra do Planejamento, Simone Tebet.

Fonte: Jovem Pan News