Câmara aprova taxação de 20% sobre compras internacionais de até US$ 50

Câmara aprova taxação de 20% sobre compras internacionais de até US$ 50 - Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (28) o PL do Mover (Programa de Mobilidade Verde e Inovação), com o dispositivo que dá fim à isenção de tributação federal para compras estrangeiras de até US$ 50. O texto, aprovado por votação simbólica, estabelece uma alíquota de 20% para essas importações. O projeto vai ao Senado.

A proposta era considerada uma das prioridades do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para o 1º semestre e vinha sendo adiada por falta de consenso. Mais cedo, o congressista se encontrou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para chegar a um “meio-termo” sobre a taxação.

A alíquota do imposto federal ficou inicialmente decidida em 25%, mas o relator do texto, Átila Lira (PP-AL), reduziu para 20% para o projeto ter a adesão dos governistas.

Aprovado na Câmara, a expectativa é de que o PL seja apreciado no Senado na quarta-feira (29), para não perder o prazo.

Impasse com o Governo

Há divergência dentro do próprio governo sobre o dispositivo. No início do ano, a equipe econômica do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, buscava uma forma de dar fim à isenção para aumentar a arrecadação, mas Lula vetou a possibilidade por conta da impopularidade da medida em pleno ano eleitoral.

O presidente seguiu o posicionamento da primeira-dama Janja Lula da Silva, que declarou ser contra o fim da isenção. A Fazenda deixou o assunto de lado, mas o tema voltou à tona com o “jabuti” (trecho sem relação com a proposta original) incluído no PL do Mover.

Depois de apresentar resistência, Lula aceitou negociar a taxação das pequenas importações com a alíquota reduzida. 

Como fica a conta

Com a nova proposta aprovada, a compra de um produto de US$ 50 resulta em R$ 373, segundo cálculo do Poder360:

  • 1 dólar é cotado a R$ 5,16 nesta 3ª feira (28.mai), então o custo de compra ao pagador de impostos seria de R$ 258;
  • é cobrado o imposto federal sobre a importação com alíquota de 20% e eleva o preço em R$ 51,60, resultando em um total até aqui de R$ 309,60;
  • por fim, é cobrado o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre as importações de 17%. É necessário dividir o valor total por 0,83 (1-17%); resulta na cobrança de R$ 63,4. Logo, o preço final a ser cobrado é de R$ 373.

O cálculo feito não contabiliza frete e seguro, que podem ser cobrados a depender do produto e vão incidir sobre a base de cálculo do ICMS.

Inicialmente, com a proposta da alíquota de 25% do imposto federal sobre a importação, o valor total cobrado era de R$ 388,50.

PL do Mover

PL do Mover determina um incentivo fiscal de R$ 19,3 bilhões até 2028 para as montadoras que cumprirem critérios de descarbonização.

O montante é dividido da seguinte forma:

  • 2024 – R$ 3,5 bilhões;
  • 2025 – R$ 3,8 bilhões;
  • 2026 – R$ 3,9 bilhões;
  • 2027 – R$ 4 bilhões;
  • 2028 – R$ 4,1 bilhões.

O objetivo do programa é reduzir as taxas de emissão de carbono da indústria automobilística até 2030. Por isso, a inserção da taxação das pequenas compras estrangeiras foi alvo de críticas de deputados da oposição e do PT por entenderem que não fazia sentido o dispositivo ser incluído neste projeto de lei.

O Mover foi apresentado pelo governo em uma MP (medida provisória) em dezembro de 2023. A validade da medida vai até 6ª feira (31.mai) e, para o programa continuar, foi apresentado um projeto de lei.

O governo tem convertido propostas em projetos de lei porque Lira e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), já sinalizaram que esse formato “facilita a discussão”.

Fonte: Poder 360